Poesia

Os dois Carlos

Os dois Carlos não são exatamente dois Carlos. Um é Charles, o outro é Carlos. Um é Spencer Chaplin, o outro é Drummond de Andrade. Mas chamá-los por “dois Carlos” é fato bem explicável em dois homens separados por um oceano ou por um continente, mas que conversaram através de suas artes dolorosas, humildes, e de seu profundo sentimento do mundo.

Os dois Carlos são tímidos. Atravessa-os um sentimento de solidão, de desamparo. Tem tendência ao isolamento. Como um mundo imenso, mundo ainda manco, poderia acolhê-los? São tantas pessoas, tantas ruas e discursos, tantas promessas e brigas… Como se expressar?

Mas os dois Carlos são fortes. Atrás do silêncio, atrás das máscaras (e do bigode?) há algo que os carrega, os leva em direção aos olhares surpresos dos homens também surpresos. Em sua dificuldade do contato, ambos levantam um canto de angústias e de esperanças.

O Drummond se utilizou das palavras contadas ou poetizadas, firmes e francas como uma flor que nasce no asfalto. Em seu silêncio, em sua solidão, encontrou os homens. Em sua busca, em sua dispersão, rompeu os mistérios. Andou por caminhos, criou em seus ninhos uma própria voz. O homem duro, de ferro, que o dobrou em seus versos.

O Chaplin, de todo o abandono, de toda a sua dor e mágoa, encontraria a sua expressão em uma arte ainda nova, cheia de possibilidades: o cinema. O seu silêncio permaneceria por muitos anos, mas não era preciso falar nada. Todos o compreendiam, olhavam em seus passos os seus mesmos passos trôpegos, sonhavam com seus chutes tão fundamentais no traseiro das autoridades. Os pobres o respeitavam, os poderosos o temiam, os artistas o admiravam.

Os nossos dois Carlos, presos em seus tempos modernos, novos e assustadores, se colocam nesse mundo em uma posição problemática. Na poesia, uma eterna procura, um desespero ante as buzinas e faróis, um encontro com o outro, um andar de mãos dadas em seu choro contido. No cinema, um Carlitos sempre andando, sempre correndo, sempre se apaixonando, e perdendo seus amores, e ganhando nossas lágrimas, mas nunca pertencendo a lugar algum. Um Carlitos de nenhum lugar, e do mundo. Um Chaplin de nenhum lugar, e do mundo.

Contradições das vidas: como pode a solidão encontrar a todos? Como pode o não estar em lugar algum chegar a todos os olhos e ouvidos e esperanças?

Encontraram os homens. Os homens os encontraram. Drummond encontrou Chaplin. E poetizou sobre Chaplin. Nas distâncias das águas e das terras, as sensibilidades se encontram. No desânimo dos tiros e das bombas, a arte se levanta como um suspiro de insana sanidade.

A arte dos Carlos, mesmo com todas as diferenças, é fundamental. Ambos olharam o seu tempo, retiraram dele sua matéria e fizeram a sua voz. Ambos olharam os seus homens, olharam suas crianças e lamentaram as feridas. Pensaram em outros tempos, de rosas e de sorrisos, de danças e de abraços. Cantaram seus novos tempos, discursaram sobre eles. Mesmo quando não o indicavam, as artes sopravam nos sonhos sua criação atemporal.

Ambos também compartilham a dura sina dos grandes artistas. O mito é imenso, as pessoas já não sabem quem é Carlos. Suas imagens ultrapassam as obras. Todos as conhecem, sem de fato conhecer. Por isso, poucos leem Drummond como deveria ser lido. Poucos veem Chaplin como deveria ser visto. E os conhecem pouco, somente as obras mais conhecidas, as chamadas obras primas (mas porque menosprezar as obras irmãs, obras mães e as obras tias?). No entanto, talvez já algumas pessoas saibam… Quem atravessa a rua dos Carlos, é atravessado por ela: nunca sai indiferente.

Conheci os dois Carlos faz uns bons anos, e praticamente ao mesmo tempo. Suas piadas e gritos e gags e sonhos e sorrisos e discursos desde então estão sempre comigo. Se as minhas palavras estão aqui, devo muito aos Carlos. Se meu silêncio pode ser levado aos outros homens com novas esperanças, transfigurado em afeto, devo muito aos Carlos.

E se a poesia ainda me resta, me alimenta e me esquenta nos dias frios das cidades cruas de concreto, devo muito aos Carlos.

O poeta Drummond e o poeta Chaplin.

Afinal: quem disse que Chaplin não é poeta?

Anúncios

Canto ao Homem do Povo Charles Chaplin

canto

I

Era preciso que um poeta brasileiro,
não dos maiores, porém dos mais expostos à galhofa,
girando um pouco em tua atmosfera ou nela aspirando a viver
como na poética e essencial atmosfera dos sonhos lúcidos,

era preciso que esse pequeno cantor teimoso,
de ritmos elementares, vindo da cidadezinha do interior
onde nem sempre se usa gravatas mas todos são extremamente polidos
e a opressão é detestada, se bem que o heroísmo se banhe em ironia,

era preciso que um antigo rapaz de vinte anos,
preso à tua pantomima por filamentos de ternura e riso dispersos no tempo,
viesse recompô-los e, homem maduro, te visitasse
para dizer-te algumas coisas, sobcolor de poema.

Para dizer-te como os brasileiros te amam
e que nisso, como em tudo mais, nossa gente se parece
com qualquer gente do mundo – inclusive os pequenos judeus
de bengalinha e chapéu-coco, sapatos compridos, olhos melancólicos,

vagabundos que o mundo repeliu, mas zombam e vivem
nos filmes, nas ruas tortas com tabuletas: Fábrica, Barbeiro, Polícia,
e vencem a fome, iludem a brutalidade, prolongam o amor
como um segredo dito no ouvido de um homem do povo caído na rua.

Bem sei que o discurso, acalanto burguês, não te envaidece,
e costumas dormir enquanto os veementes inauguram estátua,
e entre tantas palavras que como carros percorrem as ruas,
só as mais humildes, de xingamento ou beijo, te penetram.

Não é a saudação dos devotos nem dos partidários que te ofereço,
eles não existem, mas a de homens comuns, numa cidade comum,
nem faço muita questão da matéria de meu canto ora em torno de ti
como um ramo de flores absurdas mando por via postal ao inventor dos jardins.

Falam por mim os que estavam sujos de tristeza e feroz desgosto de tudo,
que entraram no cinema com a aflição de ratos fugindo da vida,
são duras horas de anestesia, ouçamos um pouco de música,
visitemos no escuro as imagens – e te descobriram e salvaram-se.

Falam por mim os abandonados da justiça, os simples de coração,
os parias, os falidos, os mutilados, os deficientes, os indecisos, os líricos, os cismarentos,
os irresponsáveis, os pueris, os cariciosos, os loucos e os patéticos.

E falam as flores que tanto amas quando pisadas,
falam os tocos de vela, que comes na extrema penúria, falam a mesa, os botões,
os instrumentos do ofício e as mil coisas aparentemente fechadas,
cada troço, cada objeto do sótão, quanto mais obscuros mais falam.

II

A noite banha tua roupa.
Mal a disfarças no colete mosqueado,
no gelado peitilho de baile,
de um impossível baile sem orquídeas.

És condenado ao negro. Tuas calças
confundem-se com a treva. Teus sapatos
inchados, no escuro do beco,
são cogumelos noturnos. A quase cartola,
sol negro, cobre tudo isto, sem raios.

Assim, noturno cidadão de uma república
enlutada, surges a nossos olhos
pessimistas, que te inspecionam e meditam:
Eis o tenebroso, o viúvo, o inconsolado,
o corvo, o nunca-mais, o chegado muito tarde
a um mundo muito velho.

E a lua pousa
em teu rosto. Branco, de morte caiado,
que sepulcros evoca mas que hastes
submarinas e álgidas e espelhos
e lírios que o tirano decepou, e faces
amortalhadas em farinha. O bigode
negro cresce em ti como um aviso
e logo se interrompe. É negro, curto,
espesso. O rosto branco, de lunar matéria,
face cortada em lençol, risco na parede,
caderno de infância, apenas imagem
entretanto os olhos são profundos e a boca vem de longe,
sozinha, experiente, calada vem a boca
sorrir, aurora, para todos.

E já não sentimos a noite,
e a morte nos evita, e diminuímos
como se ao contato de tua bengala mágica voltássemos
ao país secreto onde dormem os meninos.
Já não é o escritório e mil fichas,
nem a garagem, a universidade, o alarme,
é realmente a rua abolida, lojas repletas,
e vamos contigo arrebentar vidraças,
e vamos jogar o guarda no chão,
e na pessoa humana vamos redescobrir
aquele lugar – cuidado! – que atrai os pontapés: sentenças
de uma justiça não oficial.

III

Cheio de sugestões alimentícias, matas a fome
dos que não foram chamados à ceia celeste
ou industrial. Há ossos, há pudins
de gelatina e cereja e chocolate e nuvens
nas dobras do teu casaco. Estão guardados
para uma criança ou um cão. Pois bem conheces
a importância da comida, o gosto da carne,
o cheiro da sopa, a maciez amarela da batata,
e sabes a arte sutil de transformar em macarrão
o humilde cordão de teus sapatos.

Mais uma vez jantaste: a vida é boa.
Cabe um cigarro: e o tiras
da lata de sardinhas.
Não há muitos jantares no mundo, já sabias,
e os mais belos frangos
são protegidos em pratos chineses por vidros espessos.

Há sempre o vidro, e não se quebra,
há o aço, o amianto, a lei,
há milícias inteiras protegendo o frango,
e há uma fome que vem do Canadá, um vento,
uma voz glacial, um sopro de inverno, uma folha
baila indecisa e pousa em teu ombro: mensagem pálida
que mal decifras
o cristal infrangível. Entre a mão e a fome,
os valos da lei, as léguas. Então te transformas
tu mesmo no grande frango assado que flutua
sobre todas as fomes, no ar; frango de ouro
e chama, comida geral, que tarda.

IV

O próprio ano novo tarda. E com ele as amadas.
No festim solitário teus dons se aguçam.
És espiritual e dançarino e fluido,
mas ninguém virá aqui saber como amas
com fervor de diamante e delicadeza de alva,
como, por tua mão a cabana se faz lua.

Mundo de neve e sal, de gramofones roucos
urrando longe o gozo de que não participas.
Mundo fechado, que aprisiona as amadas
e todo o desejo, na noite, de comunicação.

Teu palácio se esvai, lambe-te o sono,
ninguém te quis, todos possuem,
tudo buscaste dar, não te tomaram.
Então encaminhas no gelo e rondas o grito.

Mas não tens gula de festa, nem orgulho
nem ferida nem raiva nem malícia.
És o próprio ano-bom, que te deténs. A casa passa
correndo, os copos voam,
os corpos saltam rápido, as amadas
te procuram na noite… e não te vêem,
tu pequeno, tu simples, tu qualquer.

Ser tão sozinho em meio a tantos ombros,
andar aos mil num corpo só, franzino,
e ter braços enormes sobre as casas,
ter um pé em Guerrero e outro no Texas,
falar assim a chinês a maranhense,
a russo, a negro: ser um só, de todos,
sem palavra, sem filtro,
sem opala:
há uma cidade em ti, que não sabemos.

V

Uma cega te ama. Os olhos abrem-se.
Não, não te ama. Um rico, em álcool,
é teu amigo e lúcido repele
tua riqueza. A confusão é nossa, que esquecemos
o que há de água, de sopro e de inocência
no fundo de cada um de nós, terrestres. Mas, ó mitos
que cultuamos, falsos: flores pardas,
anjos desleais, cofres redondos, arquejos
poéticos acadêmicos; convenções
do branco, azul e roxo; maquinismos,
telegramas em série, e fábricas e fábricas
e fábricas de lâmpadas, proibições, auroras.
Ficaste apenas um operário
comandado pela voz colérica do megafone.
És parafuso, gesto, esgar.
Recolho teus pedaços: ainda vibram,
lagarto mutilado.

Colo teus pedaços. Unidade
estranha é a tua, em mundo assim pulverizado.
E nós, que a cada passo nos cobrimos
e nos despimos e nos mascaramos,
mal retemos em ti o mesmo homem,

aprendiz
bombeiro
caixeiro
doceiro
emigrante
forçado
maquinista
noivo
patinador
soldado
músico
peregrino
artista de circo
marquês
marinheiro
carregador de piano

apenas sempre entretanto tu mesmo,
o que não está de acordo e é meigo,
o incapaz de propriedade, o pé
errante, a estrada
fugindo, o amigo
que desejaríamos reter
na chuva, no espelho, na memória
e todavia perdemos

VI

Já não penso em ti. Penso no ofício
a que te entregas. Estranho relojoeiro
cheiras a peça desmontada: as molas unem-se,
o tempo anda. És vidraceiro.
Varres a rua. Não importa
que o desejo de partir te roa; e a esquina
faça de ti outro homem; e a lógica
te afaste de seus frios privilégios.

Há o trabalho em ti, mas caprichoso,
mas benigno,
e dele surgem artes não burguesas,
produtos de ar e lágrimas, indumentos
que nos dão asa ou pétalas, e trens
e navios sem aço, onde os amigos
fazendo roda viajam pelo tempo,
livros se animam, quadros se conversam,
e tudo libertado se resolve
numa efusão de amor sem paga, e riso, e sol.

O ofício é o ofício
que assim te põe no meio de nós todos,
vagabundo entre dois horários; mão sabida
no bater, no cortar, no fiar, no rebocar,
o pé insiste em levar-te pelo mundo,
a mão pega a ferramenta: é uma navalha,
e ao compasso de Brahms fazes a barba
neste salão desmemoriado no centro do mundo oprimido
onde ao fim de tanto silêncio e oco te recobramos.

Foi bom que te calasses.
Meditavas na sombra das chaves,
das correntes, das roupas riscadas, das cercas de arame,
juntavas palavras duras, pedras, cimento, bombas, invectivas,
anotavas com lápis secreto a morte de mil, a boca sangrenta
de mil, os braços cruzados de mil.

E nada dizias. E um bolo, um engulho
formando-se. E as palavras subindo.
Ó palavras desmoralizadas, entretanto salvas, ditas de novo.
Poder da voz humana inventando novos vocábulos e dando sopros exaustos.
Dignidade da boca, aberta em ira justa e amor profundo,
crispação do ser humano, árvore irritada,
contra a miséria e a fúria dos ditadores,

ó Carlito, meu e nosso amigo, teus sapatos e teu bigode
caminham numa estrada de pó e de esperança.

(Em: “A Rosa do Povo”, Canto ao Homem do Povo Charles Chaplin, de Carlos Drummond de Andrade, Companhia das Letras, São Paulo. Carlos Drummond de Andrade © Graña Drummond, http://www.carlosdrummond.com.br)