obra

“Casamento ou luxo”: o fracasso mais bem-sucedido de Chaplin

Por Diogo Rossi Ambiel Facini

            Estamos no começo da década de 1920. Charles Chaplin, conhecido e reconhecido como ator e diretor, já havia entrado em um período de maturidade artística, exemplificado em obras como Pastor de Almas e O Garoto. Com esse último filme, inclusive, Chaplin partia para o formato dos longas metragens, que exigia roteiros mais elaborados e uma maior construção. No entanto, o cineasta não estava satisfeito. Era um dos grandes nomes da comédia do cinema mudo e seu Carlitos possuía um status mitológico, mas Chaplin queria fazer algo diferente. E assim o fez.

            Casamento ou Luxo (A Woman from Paris) é um filme dirigido por Charles Chaplin, lançado em 1923, trazendo nos papéis principais a sua companheira de cena de longa data, Edna Purviance, além de Carl Miller e do francês Adolphe Menjou. Vejamos novamente uma informação: trata-se de um filme em que Chaplin atuou na função de diretor, mas não na de ator (apenas em uma pequena participação, como fazia Alfred Hitchcock). A ausência da sua atuação implica uma ausência importante, a de Carlitos. Essa mudança vai além, pois outra característica do filme é também bastante singular: não se trata de um filme cômico, mas sim de um drama.

Edna Purviance no filme

            Desse modo, temos duas características que diferenciam essa obra do “padrão” das produções do cineasta: ele não atua na obra (e, talvez mais importante, não há Carlitos), e não se trata de uma comédia. Chaplin tentava mostrar que podia ser mais do que o seu clássico personagem e ir além do gênero pelo qual ficou conhecido. Conseguiu? A resposta pode ser sim e não.

            O filme traz a história de Marie St. Claire, personagem de Edna, que combina uma viagem de fuga com o namorado, mas que acaba partir só, já que ele não aparece na estação de trem, o que faz Marie pensar que havia sido abandonada (na verdade, o pai do seu namorado havia falecido no momento da saída do filho, o que impediu qualquer atitude sua). Marie vai para Paris, e lá se estabelece como uma espécie de amante de um “playboy” milionário. Depois de um tempo, a personagem descobre que seu antigo namorado também está vivendo na cidade luz (junto com sua mãe viúva) e com isso alguns conflitos se estabelecem. Marie deve escolher o conforto da vida atual ou o brilho de um romance antigo? É só assistir ao filme e conferir.

Marie St. Claire e o namorado

            Como dito, o filme é um drama, e o cineasta procurou trazer novos elementos ao filme, que o diferenciassem das comédias anteriores e estabelecessem algumas inovações em relação ao cinema que era produzido na época. Podemos citar dois exemplos de peculiaridades da obra.

Em uma vida mais luxuosa, com o amante.

            Em primeiro lugar, o diretor procurou claramente trazer uma nova forma para a interpretação dos seus atores. Chaplin se esforçou para tornar as atuações mais naturalistas, “realistas”, e isso é conseguido com um destaque dado à gestualidade dos personagens, em expressões sutis, às vezes imperceptíveis, mas cheias de significado. Lembremos que ainda se estava na fase do cinema mudo, e, nesse contexto, havia uma tendência quase geral ao uso de expressões mais carregadas e uma valorização dos gestos (tanto faciais quanto corporais) para “compensar” um pouco a ausência dos diálogos. Nesse sentido, Casamento ou luxo trouxe um “modelo” de interpretação que se baseava em expressões mais contidas, sutis, e que trazia uma ênfase maior nos detalhes do que em informações explícitas. Trata-se de uma obra de sutilezas. Deve-se destacar que essa mudança na interpretação não é completamente repentina, já que Chaplin já a estava realizando desde o fim dos anos 10 em seus filmes, adicionando elementos mais realistas nos filmes e mesmo no seu personagem Carlitos, que ganhava contornos psicológicos mais complexos. No entanto, Casamento ou Luxo introduziu um novo patamar nesse desenvolvimento do diretor, o que talvez tenha sido auxiliado pelo fato de se tratar de um drama, que pede de modo geral determinadas características distintas da comédia.

Chaplin dirigindo os atores

            Além disso, há outra característica importante do filme que se relaciona de certa forma à sutileza nas interpretações, mas agora mais próxima da direção e da composição mais ampla da obra. Essa característica também aparece nas obras anteriores de Chaplin, mas aqui está mais desenvolvida e mais clara. Trata-se de uma ênfase em sugestões, alusões e um uso consciente de elipses (uso de cortes, omissão de determinados trechos, mas que nem por isso deixam de ser significativos). O cineasta estava tratando de temas polêmicos para a época nesse filme, principalmente a relação “liberal” (sem casamento) entre a personagem de Edna e o milionário playboy. A apresentação da relação não poderia ser tão explícita, por isso deveriam ser usados alguns artifícios para ao mesmo tempo indicar o que se passava e evitar a censura. Nesse sentido, um exemplo é bastante significativo e conhecido. Na casa de Edna, em determinado momento, um dos personagens deixa cair o colarinho da camisa de seu amante francês. Ele não mora com ela e nem são casados, como já afirmado. No entanto, a presença de uma peça de roupa na casa de Edna mostra que eles têm uma relação próxima (e íntima). Não é dada nenhuma informação explícita, seja através de falas ou diálogos (mesmo que por escrito, nos intertítulos), seja através de gestos mais incisivos. Esse detalhe, a queda de uma peça de roupa, diz tudo o que era preciso ser dito.

O filme também apresenta alguns momentos de sensualidade

            No entanto, o filme não trazia Carlitos, e essa ausência talvez tenha sido cruel para o destino do filme em um sentido comercial. O mito Carlitos era enorme e o público queria vê-lo, mas só havia Chaplin, e não o Chaplin ator (mesmo que sem Carlitos): havia somente o cineasta. Assim, o filme foi malsucedido em termos de público, o que de certo modo continua mesmo mais de 90 anos após o seu lançamento, já que ele é sem dúvida um dos mais desconhecidos do cineasta (ainda mais se comparado aos seus irmãos longas metragens dos anos 20 e 30).

Chaplin mostrando que sua presença no filme não seria como ator

            Devido a essa condição de, ao mesmo tempo, filme bem realizado em um sentido estético (e inovador) e fracasso comercial, podemos dizer que houve duas consequências principais e um pouco contraditórias na filmografia posterior de Chaplin. Em primeiro lugar, o cineasta retorna logo a seguir, em sua próxima produção, tanto a Carlitos quanto a um filme cômico. O filme seguinte do diretor, Em Busca do Ouro, é dos seus mais bem-sucedidos e reconhecidos. O retorno mais explícito ao gênero drama só se daria em 1952, com o filme Luzes da Ribalta (que trazia, no entanto, a atuação de Chaplin). O único filme posterior que não trazia Chaplin como ator seria também o seu último, A condessa de Hong Kong, de 1967. Porém, apesar de esse retorno a elementos anteriores, não podemos dizer que de Casamento ou luxo deixou a produção posterior do diretor intacta: pelo contrário, diria que é quase possível apontar um “estilo de Chaplin” anterior e um posterior a Casamento ou Luxo. Mesmo que não se trate de dramas, os filmes realizados a partir de 1925 trazem algumas características que se destacam nesse filme anterior: um destaque à gestualidade em um sentido mais sutil e menos exagerado, interpretações que tendem a buscar um tom mais realista que em comédias anteriores, e uma montagem mais sofisticada, marcada por mais referências externas, alusões e elipses. Desse modo, mesmo que o filme tenha sido pouco assistido (até hoje), trouxe algumas marcas e influências interessantes para a sua obra, ajudando a definir o que depois se chamaria de chapliniano.

Cartaz do filme

            Poderíamos, ao fim, até especular: o que teria acontecido se Casamento ou Luxo tivesse sido um filme bem-sucedido comercialmente? Chaplin teria abandonado o personagem Carlitos? Teria se dedicado a mais dramas, ou talvez realizado dramas e comédias alternadamente, algo como faz o também ator e diretor Woody Allen? Não podemos saber. Só sabemos que Chaplin produziu algumas de suas obras mais significativas nos anos que se seguiram; enfrentou a passagem do cinema mudo ao falado e conseguiu manter-se relevante; e manteve o seu nome e o de Carlitos como quase símbolos da arte cinematográfica. Isso já deve bastar.

Uma história dos cinemas do mundo – “História do Cinema”, de Mark Cousins

Por Diogo Facini

 O livro “História do cinema: dos clássicos mudos ao cinema moderno”, do crítico de cinema, produtor e diretor Mark Cousins, publicado no ano de 2013 pela Martins Fontes Editora, é um material incrível para aqueles interessados na história da sétima arte, desde seus primórdios até as produções do século XXI. O autor, responsável por uma série de TV sobre o cinema, trouxe todo seu conhecimento sobre a história dos filmes para esse livro, que é voltado a um público um pouco mais amplo do que os especialistas, mas sem deixar a sua seriedade e informações de lado.

A obra, com suas quase 500 páginas, é dividida em seções que acompanham as principais mudanças técnicas e estilísticas do cinema. Há uma divisão inicial em três unidades, que acompanham os primórdios do cinema e sua forma silenciosa (até 1927); o cinema sonoro que veio a seguir (até o início dos anos 1990); e a revolução do cinema digital que começou na década de 1990 e continua nos dias de hoje. Além dessas unidades maiores, o livro é distribuído ao longo de dez capítulos, que acompanham mudanças de estilo e novos diretores e filmes criativos que modificaram as normas e possibilidades dessa arte (por exemplo, o cinema de 1914 a 1928, uma das eras mais importantes e revolucionárias).

Um dos pontos interessantes da abordagem de Mark Cousins é que a sua história do cinema é fundamentalmente a história da criatividade e inovação no meio; por isso, o seu destaque são os seus criadores, principalmente os diretores. Atores, produtores, roteiristas e compositores são abordados apenas se trazem alguma inovação para o meio do cinema na visão do autor.

“Cidadão Kane” (1941), um dos filmes mais importantes da história, é abordado com detalhes no livro

Além disso, o livro traz algumas outras inovações. A que talvez mais se destaque é o fato de esse ser realmente uma história do cinema mundial, e não apenas ocidental. Ao contrário de outras obras sobre cinema, que na verdade são sobre o cinema de Hollywood e proximidades (no máximo o cinema europeu de mais destaque), essa obra aborda com a mesma abertura as obras que estariam fora de eixo ocidental da sétima arte: cinemas indiano, chinês, africano, iraniano, latino-americano, entre outros estão representados. O cinema brasileiro inclusive está presente, em obras importantes como a mais antiga “Deus e o Diabo na Terra do Sol” (1964) e o contemporâneo “Cidade de Deus” (2002). Esse ponto, em conjunto com a valorização de autores ainda não muito conhecidos (como o japonês Yasujiro Ozu) e a defesa da qualidade do período contemporâneo, considerado pelo autor o mais rico em distribuição de criatividade pelo mundo, mostram que além de contar a história do cinema, o autor procura trazer suas próprias contribuições e correções para ela.

O brasileiro “Deus e o diabo na terra do sol” (1964)

Com relação à obra de Chaplin, a obra traz algumas importantes contribuições. O autor não apenas discute a obra do autor, mas também aponta em alguns casos as influências de sua obra nos diretores que vieram posteriormente. Isso é mais claro quando observamos a obra de comediantes da época ou posteriores, como Harold Lloyd ou mesmo Woody Allen, mas se torna ainda mais interessante ao vermos alguns elementos da obra de Chaplin na obra do diretor italiano Federico Fellini. Além disso, é dado o devido crédito a outros nomes da comédia muda menos lembrados que Chaplin, como o já citado Harold Lloyd e o genial Buster Keaton.

Chaplin – uma influência

Para além do texto em si já primoroso, não podemos deixar de destacar as imagens presentes no livro. Consistindo principalmente de fotos retiradas de cenas dos filmes, em uma quantidade de quase 400 (!), essas imagens enriquecem muito o material, mas não se constituem de simples perfumaria ou enfeite. Já que se trata da história de uma arte que depende muito do aspecto visual, as fotos ajudam bastante no entendimento das informações e explicações de Mark Cousins, trazendo a referência direta para o que é discutido no texto, por exemplo, o uso de determinado ângulo da câmera, foco, iluminação etc.

Todas essas características mostram a riqueza e qualidade dessa obra. Se pensarmos em “pontos negativos”, poderíamos comentar sobre o seu preço não muito barato (mas condizente com a qualidade do material; apenas talvez tenha faltado o livro ser em capa dura). Além disso, a extensão do livro, seu vocabulário um pouco mais técnico e seu conteúdo denso, cheio de referências, podem afastar os leitores interessados em uma obra mais básica e um conhecimento mais superficial, em busca diretores já conhecidos. Mesmo assim, trata-se de uma grande obra, que muito provavelmente irá deixar o leitor cada vez mais interessado em ver os filmes abordados conforme a leitura avança, e dificilmente o deixará sair, ao fim da leitura, do mesmo jeito de quando “entrou”. Mesmo para os desinteressados por uma leitura longa, apenas as imagens e suas legendas explicativas já valem a leitura. Mais recomendado, impossível!

Capa do livro

 

Referências bibliográficas:

COUSINS, Mark. História do cinema: dos clássicos mudos ao cinema moderno. São Paulo: Martins Fontes, 2013.