livro

Chega ao Brasil o romance inédito de Charles Chaplin: “Luzes da Ribalta”

O único texto de ficção escrito por Charles Chaplin, que deu origem ao roteiro de Luzes da Ribalta, é publicado pela primeira vez depois de sessenta anos. A edição traz mais de cem imagens do arquivo pessoal do gênio do cinema, além de ensaios do biógrafo David Robinson

Em 16 de maio de 1952, a estreia de Luzes da ribalta num apinhado cinema da Leicester Square, em Londres, com a presença de membros da realeza britânica e uma cobertura estrondosa da imprensa, selou a conclusão de um longo projeto criativo de Charles Chaplin. A gênese do seu último filme realizado nos Estados Unidos remontava aos primórdios de sua trajetória no cinema.
Em 1916, astro de Hollywood em meteórica ascensão, o jovem Chaplin foi visitado em seu estúdio pelo mítico bailarino russo Vaslav Nijinsky. A profunda impressão causada em Chaplin pela estrela dos Ballets Russes, que pouco depois abandonaria a dança com um diagnóstico de esquizofrenia, está na origem da primeira concepção de um filme centrado na decadência física e artística de um bailarino.
No fim dos anos 1940, Chaplin voltou a este tema e começou a escrever um argumento sob a forma de novela, intitulada Footlights. Fonte principal do roteiro de Luzes da ribalta (Limelight), o texto foi concluído três anos depois, e se manteve inédito por mais de seis décadas no arquivo pessoal do autor, até ser descoberto e editado por David Robinson — crítico inglês e biógrafo oficial de Chaplin —, sob os auspícios da Cineteca di Bologna.
A pungente história de Calvero, um palhaço velho, decadente e bêbado, e seu amor platônico pela jovem bailarina suicida Thereza, foi transposta para as telas com poucas alterações substanciais, e mostra um narrador em pleno domínio dos diálogos, do espaço e do tempo da ficção longa. A presente edição, ilustrada por dezenas de reproduções de documentos e fotografias do Charles Chaplin Archive, inclui um alentado ensaio de David Robinson sobre a criação do romance e do filme, bem como sobre o ambiente cultural da Londres de 1914 retratada por Chaplin.

A Companhia das Letras é a responsável pelo lançamento no Brasil, desta que é a obra mais aguardada do ano. O livro chegará nas prateleiras das melhores livrarias do país no dia 10 de novembro.

Especificações técnicas:

LUZES DA RIBALTA
CHARLES CHAPLIN
TRADUÇÃO
Henrique de Breia
Szolnoky
CAPA
Elisa von Randow
PÁGINAS (estimadas)
224
FORMATO
20,5 x 27,5 cm
PESO (estimado)
0,787 kg
LOMBADA (estimada)
1,7 cm
TIRAGEM
8000 ex.
PREÇO
R$ 64,90
R$ 39,90 (e-book)
LANÇAMENTO
10/11/2014
ISBN E CÓDIGO DE BARRAS
978-85-359-2498-5
PALAVRAS-CHAVE
Cinema, artistas
decadentes, Londres,
teatro, balé
CÓDIGO BISAC
PER004000 ARTES
PERFORMÁTICAS /
Filme & Vídeo / Geral
FIC000000 FICÇÃO/
Geral

CHARLES (Spencer) CHAPLIN nasceu em Londres, em 1889. De família artística, estreou ainda criança no teatro. Mudou-se em 1913 para os Estados Unidos, onde nas décadas seguintes realizou como diretor e ator alguns dos maiores filmes de todos os tempos, como O garoto (1921), Luzes da cidade (1931), Tempos modernos (1936) e Monsieur Verdoux (1947). Acusado nos EUA de simpatias comunistas, retornou com a família para a Inglaterra em 1952, mudando-se em seguida para a Suíça. Em 1964, publicou a autobiografia Minha vida. Em 1972, recebeu um Oscar honorário pelo conjunto de seus filmes. Três anos depois, foi consagrado Cavaleiro do Império Britânico pela rainha Elizabeth II. Morreu em Vevey, na Suíça, em 1977.
DAVID ROBINSON (org.) nasceu em Lincolnshire, na Inglaterra, em 1930. Foi crítico de cinema do jornal Financial Times e do Times. Seu Chaplin — Uma biografia definitiva, publicado em 1985, é considerado o melhor livro de referência sobre a vida e a obra de Chaplin.

Luzes da ribalta

Fonte: Das Letras – Outubro/2014

Vocês ainda não leram nada! A história do cinema mudo por Celso Sabadin

Por Diogo Facini

Um período recheado de inovações, quando ninguém sabia ao certo o que estava acontecendo e o que estava por vir. Um período de possibilidades, formado por pessoas que desbravavam caminhos que maravilhavam o mundo. Um período de sonhos, mas também conflitos, batalhas, em que alguns saíram vitoriosos e muitos ficaram esquecidos. Essas e outras características podem ser atribuídas a um período do cinema muitas vezes pouco lembrado, mas fundamental para o seu estabelecimento e o de praticamente tudo o que veio depois, e que é tratado e retratado em uma grande obra.

O livro “Vocês ainda não ouviram nada: A barulhenta história do cinema mudo”, escrito pelo crítico, teórico de cinema e cineasta Celso Sabadin, publicado pela Summus Editorial, e que atualmente se encontra em sua terceira edição (2009) é uma obra fundamental, tanto para as pessoas que se interessem por algo do cinema mudo ou mesmo do cinema em geral, e que queiram conhecer a sua história, quanto para estudiosos desses temas.

O autor aborda a história dessa forma de cinema desde os seus primórdios, acompanhando desde as mudanças sociais e técnicas anteriores até o surgimento dos primeiros inventores e invenções que possibilitariam o desenvolvimento do cinema. São trazidas figuras que a história tratou de guardar, como os irmãos Lumiêre, considerados pais do cinema, Georges Méliès, um dos criadores da ficção de científica e dos efeitos especiais, o cineasta D. W. Griffith, entre outros; no entanto, são trazidas também muitas outras figuras que colaboraram de forma decisiva para o estabelecimento do cinema, mas que não receberam um tratamento tão generoso da história, e foram sendo esquecidas. Podemos acompanhar como o surgimento do cinema foi um processo difícil, cheio de indas e vindas e de pequenas inovações que iriam cimentando essa nova forma de entretenimento (antes mesmo de arte).

Os irmãos Lumière, considerados os pais do cinema

O livro mostra o caminho que o cinema tomou, de uma produção praticamente artesanal para uma “indústria do cinema”, com sua divisão do trabalho e produção quase em linha de montagem: o surgimento de algumas figuras que já viam o cinema de uma forma mais profissional (e capitalista), as primeiras empresas produtoras, a difusão impressionante do cinema pelo mundo…

Outro ponto importante discutido pelo livro é o caminho traçado pela indústria do cinema americana (que é que recebe mais destaque no livro) até a sua dominação esmagadora no cinema mundial. Muitas pessoas desavisadas podem achar que sempre foi assim, mas considera-se que o cinema começou na França, e esse país era o predominante no início do cinema. Além disso, países como a Alemanha, Itália e Inglaterra detinham produções consideráveis. Vários fatores ajudaram os Estados Unidos, como sua economia em crescimento e a grande imigração; porém a Primeira Guerra Mundial, que devastaria os países europeus e elevaria os EUA a um status de potência, é apontada como uma grande causa para essa supremacia no cinema. Além disso, o autor comenta como o cinema foi seguindo em direção ao oeste desse país, o que culminaria com o crescimento da poderosa Hollywood.

Alguns gêneros importantes são discutidos pelo autor. À comédia é dedicado um capítulo, destacando-se o trio fundamental da comédia americana: Charles Chaplin, Buster Keaton e Harold Lloyd. O primeiro permanece através de Carlitos como a figura símbolo do cinema (mudo ou não). Keaton e Lloyd são menos conhecidos, mas não menos geniais. No caso de Keaton, com sua comédia visual inteligente, refinada e a sua conhecida “expressão sem expressão” (ele não sorria ou manifestava seus sentimentos através de expressão facial), é verdadeiramente uma pena que mais pessoas não vejam suas obras. As animações também começaram no cinema mudo, e Sabadin também aborda esse tema, mostrando algumas futuras figuras carimbadas.

Chaplin, um dos símbolos do cinema mudo.

Buster Keaton, o homem que nunca ria.

São discutidos também os cinemas de outros países. Podemos destacar aqui o cinema expressionista alemão e o soviético inicial, que apresentaram novas formulações estéticas e temáticas, e que sofreriam profundos danos com o aprofundamento dos regimes autoritários em seus países. Um ponto importante dessa obra é que ela aborda o período do cinema mudo em território brasileiro, infelizmente um quase completo desconhecido para a maioria das pessoas. É interessante notar que o cinema chegou aqui relativamente cedo e existiam núcleos de produção (e exibição) em todo o país, e uma produção considerável de longas metragens; inclusive há a produção de filmes de vanguarda, esquecidas por aqui, mas valorizados por autores estrangeiros.

Por fim, o autor aborda um assunto importantíssimo dentro da história do cinema: a passagem para o cinema falado. Como Sabadin aponta, o surgimento do som sincronizado com a imagem no cinema tem mais motivação econômica que artística; em uma indústria que precisava de novidades para superar um momento de crise (com queda no número de ingressos vendidos), o som representou um grande alívio. Deve ser mencionada a referência presente no título do livro ao filme “O cantor de jazz”, de 1927. Mas não devem ser dados mais detalhes: se não entendeu, vá ler o livro e assistir ao filme!

O livro “Vocês ainda não ouviram nada: A barulhenta história do cinema mudo” constitui uma obra importantíssima para qualquer pessoa que se interesse de alguma forma pelo tema do cinema mudo. Única no país, com uma escrita ao mesmo tempo acessível, leve, mas séria nos momentos necessários, é uma obra que deve ser valorizada, tanto por sua qualidade, quanto pela ação de seu autor em dar voz e história a um período muitas vezes tão esquecido pelas pessoas, tanto espectadores casuais quanto especialistas em cinema.

Capa do livro.

Referências Bibliográficas:

SABADIN, Celso. Vocês não ouviram nada: A barulhenta história do cinema mudo. 3. ed. São Paulo: Summus, [1997] 2009.