Buster Keaton

Annex-KeatonBusterCameramanThe_03

Uma história dos cinemas do mundo – “História do Cinema”, de Mark Cousins

Por Diogo Facini

 O livro “História do cinema: dos clássicos mudos ao cinema moderno”, do crítico de cinema, produtor e diretor Mark Cousins, publicado no ano de 2013 pela Martins Fontes Editora, é um material incrível para aqueles interessados na história da sétima arte, desde seus primórdios até as produções do século XXI. O autor, responsável por uma série de TV sobre o cinema, trouxe todo seu conhecimento sobre a história dos filmes para esse livro, que é voltado a um público um pouco mais amplo do que os especialistas, mas sem deixar a sua seriedade e informações de lado.

A obra, com suas quase 500 páginas, é dividida em seções que acompanham as principais mudanças técnicas e estilísticas do cinema. Há uma divisão inicial em três unidades, que acompanham os primórdios do cinema e sua forma silenciosa (até 1927); o cinema sonoro que veio a seguir (até o início dos anos 1990); e a revolução do cinema digital que começou na década de 1990 e continua nos dias de hoje. Além dessas unidades maiores, o livro é distribuído ao longo de dez capítulos, que acompanham mudanças de estilo e novos diretores e filmes criativos que modificaram as normas e possibilidades dessa arte (por exemplo, o cinema de 1914 a 1928, uma das eras mais importantes e revolucionárias).

Um dos pontos interessantes da abordagem de Mark Cousins é que a sua história do cinema é fundamentalmente a história da criatividade e inovação no meio; por isso, o seu destaque são os seus criadores, principalmente os diretores. Atores, produtores, roteiristas e compositores são abordados apenas se trazem alguma inovação para o meio do cinema na visão do autor.

“Cidadão Kane” (1941), um dos filmes mais importantes da história, é abordado com detalhes no livro

Além disso, o livro traz algumas outras inovações. A que talvez mais se destaque é o fato de esse ser realmente uma história do cinema mundial, e não apenas ocidental. Ao contrário de outras obras sobre cinema, que na verdade são sobre o cinema de Hollywood e proximidades (no máximo o cinema europeu de mais destaque), essa obra aborda com a mesma abertura as obras que estariam fora de eixo ocidental da sétima arte: cinemas indiano, chinês, africano, iraniano, latino-americano, entre outros estão representados. O cinema brasileiro inclusive está presente, em obras importantes como a mais antiga “Deus e o Diabo na Terra do Sol” (1964) e o contemporâneo “Cidade de Deus” (2002). Esse ponto, em conjunto com a valorização de autores ainda não muito conhecidos (como o japonês Yasujiro Ozu) e a defesa da qualidade do período contemporâneo, considerado pelo autor o mais rico em distribuição de criatividade pelo mundo, mostram que além de contar a história do cinema, o autor procura trazer suas próprias contribuições e correções para ela.

O brasileiro “Deus e o diabo na terra do sol” (1964)

Com relação à obra de Chaplin, a obra traz algumas importantes contribuições. O autor não apenas discute a obra do autor, mas também aponta em alguns casos as influências de sua obra nos diretores que vieram posteriormente. Isso é mais claro quando observamos a obra de comediantes da época ou posteriores, como Harold Lloyd ou mesmo Woody Allen, mas se torna ainda mais interessante ao vermos alguns elementos da obra de Chaplin na obra do diretor italiano Federico Fellini. Além disso, é dado o devido crédito a outros nomes da comédia muda menos lembrados que Chaplin, como o já citado Harold Lloyd e o genial Buster Keaton.

Chaplin – uma influência

Para além do texto em si já primoroso, não podemos deixar de destacar as imagens presentes no livro. Consistindo principalmente de fotos retiradas de cenas dos filmes, em uma quantidade de quase 400 (!), essas imagens enriquecem muito o material, mas não se constituem de simples perfumaria ou enfeite. Já que se trata da história de uma arte que depende muito do aspecto visual, as fotos ajudam bastante no entendimento das informações e explicações de Mark Cousins, trazendo a referência direta para o que é discutido no texto, por exemplo, o uso de determinado ângulo da câmera, foco, iluminação etc.

Todas essas características mostram a riqueza e qualidade dessa obra. Se pensarmos em “pontos negativos”, poderíamos comentar sobre o seu preço não muito barato (mas condizente com a qualidade do material; apenas talvez tenha faltado o livro ser em capa dura). Além disso, a extensão do livro, seu vocabulário um pouco mais técnico e seu conteúdo denso, cheio de referências, podem afastar os leitores interessados em uma obra mais básica e um conhecimento mais superficial, em busca diretores já conhecidos. Mesmo assim, trata-se de uma grande obra, que muito provavelmente irá deixar o leitor cada vez mais interessado em ver os filmes abordados conforme a leitura avança, e dificilmente o deixará sair, ao fim da leitura, do mesmo jeito de quando “entrou”. Mesmo para os desinteressados por uma leitura longa, apenas as imagens e suas legendas explicativas já valem a leitura. Mais recomendado, impossível!

Capa do livro

 

Referências bibliográficas:

COUSINS, Mark. História do cinema: dos clássicos mudos ao cinema moderno. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

O valor estimado será entre R$60 e 120 mil
Foto: Reuters

Sesc-SP realiza programação com filmes de Chaplin e outros artistas

O projeto chama-se “Comediantes como os de antes” e visa a realização de sessões que  trazem de volta à tela grande comediantes consagrados do cinema mundial em produções inesquecíveis. Exibições de Buster Keaton, Irmãos Marx, Jacques Tati, Jerry Lewis, Peters Sellers, Franco Franchi e Ciccio Ingrassia, Totó, Cantinflas, Grande Otelo, Oscarito e Mazzaropi, entre outros, em filmes para toda a família. Em junho e julho, o projeto destaca a obra de Charles Chaplin.

Confira a programação:

10/07:  Luzes da Cidade (City Lights)

17/07: Tempos Modernos (Modern Times)

24/07: O Grande Ditador (The Great Dictator)

31/07: Luzes da Ribalta (Limelights)

Todas as sessões acontecem no Sesc Pinheiros, a partir das 20h e com entrada gratuita.

O Sesc Pinheiros localiza-se na Rua Paes Leme, 195, Pinheiros - São Paulo

O Sesc Pinheiros localiza-se na Rua Paes Leme, 195, Pinheiros – São Paulo

kus07-voyage_dans_la_lune

Vocês ainda não leram nada! A história do cinema mudo por Celso Sabadin

Por Diogo Facini

Um período recheado de inovações, quando ninguém sabia ao certo o que estava acontecendo e o que estava por vir. Um período de possibilidades, formado por pessoas que desbravavam caminhos que maravilhavam o mundo. Um período de sonhos, mas também conflitos, batalhas, em que alguns saíram vitoriosos e muitos ficaram esquecidos. Essas e outras características podem ser atribuídas a um período do cinema muitas vezes pouco lembrado, mas fundamental para o seu estabelecimento e o de praticamente tudo o que veio depois, e que é tratado e retratado em uma grande obra.

O livro “Vocês ainda não ouviram nada: A barulhenta história do cinema mudo”, escrito pelo crítico, teórico de cinema e cineasta Celso Sabadin, publicado pela Summus Editorial, e que atualmente se encontra em sua terceira edição (2009) é uma obra fundamental, tanto para as pessoas que se interessem por algo do cinema mudo ou mesmo do cinema em geral, e que queiram conhecer a sua história, quanto para estudiosos desses temas.

O autor aborda a história dessa forma de cinema desde os seus primórdios, acompanhando desde as mudanças sociais e técnicas anteriores até o surgimento dos primeiros inventores e invenções que possibilitariam o desenvolvimento do cinema. São trazidas figuras que a história tratou de guardar, como os irmãos Lumiêre, considerados pais do cinema, Georges Méliès, um dos criadores da ficção de científica e dos efeitos especiais, o cineasta D. W. Griffith, entre outros; no entanto, são trazidas também muitas outras figuras que colaboraram de forma decisiva para o estabelecimento do cinema, mas que não receberam um tratamento tão generoso da história, e foram sendo esquecidas. Podemos acompanhar como o surgimento do cinema foi um processo difícil, cheio de indas e vindas e de pequenas inovações que iriam cimentando essa nova forma de entretenimento (antes mesmo de arte).

Os irmãos Lumière, considerados os pais do cinema

O livro mostra o caminho que o cinema tomou, de uma produção praticamente artesanal para uma “indústria do cinema”, com sua divisão do trabalho e produção quase em linha de montagem: o surgimento de algumas figuras que já viam o cinema de uma forma mais profissional (e capitalista), as primeiras empresas produtoras, a difusão impressionante do cinema pelo mundo…

Outro ponto importante discutido pelo livro é o caminho traçado pela indústria do cinema americana (que é que recebe mais destaque no livro) até a sua dominação esmagadora no cinema mundial. Muitas pessoas desavisadas podem achar que sempre foi assim, mas considera-se que o cinema começou na França, e esse país era o predominante no início do cinema. Além disso, países como a Alemanha, Itália e Inglaterra detinham produções consideráveis. Vários fatores ajudaram os Estados Unidos, como sua economia em crescimento e a grande imigração; porém a Primeira Guerra Mundial, que devastaria os países europeus e elevaria os EUA a um status de potência, é apontada como uma grande causa para essa supremacia no cinema. Além disso, o autor comenta como o cinema foi seguindo em direção ao oeste desse país, o que culminaria com o crescimento da poderosa Hollywood.

Alguns gêneros importantes são discutidos pelo autor. À comédia é dedicado um capítulo, destacando-se o trio fundamental da comédia americana: Charles Chaplin, Buster Keaton e Harold Lloyd. O primeiro permanece através de Carlitos como a figura símbolo do cinema (mudo ou não). Keaton e Lloyd são menos conhecidos, mas não menos geniais. No caso de Keaton, com sua comédia visual inteligente, refinada e a sua conhecida “expressão sem expressão” (ele não sorria ou manifestava seus sentimentos através de expressão facial), é verdadeiramente uma pena que mais pessoas não vejam suas obras. As animações também começaram no cinema mudo, e Sabadin também aborda esse tema, mostrando algumas futuras figuras carimbadas.

Chaplin, um dos símbolos do cinema mudo.

Buster Keaton, o homem que nunca ria.

São discutidos também os cinemas de outros países. Podemos destacar aqui o cinema expressionista alemão e o soviético inicial, que apresentaram novas formulações estéticas e temáticas, e que sofreriam profundos danos com o aprofundamento dos regimes autoritários em seus países. Um ponto importante dessa obra é que ela aborda o período do cinema mudo em território brasileiro, infelizmente um quase completo desconhecido para a maioria das pessoas. É interessante notar que o cinema chegou aqui relativamente cedo e existiam núcleos de produção (e exibição) em todo o país, e uma produção considerável de longas metragens; inclusive há a produção de filmes de vanguarda, esquecidas por aqui, mas valorizados por autores estrangeiros.

Por fim, o autor aborda um assunto importantíssimo dentro da história do cinema: a passagem para o cinema falado. Como Sabadin aponta, o surgimento do som sincronizado com a imagem no cinema tem mais motivação econômica que artística; em uma indústria que precisava de novidades para superar um momento de crise (com queda no número de ingressos vendidos), o som representou um grande alívio. Deve ser mencionada a referência presente no título do livro ao filme “O cantor de jazz”, de 1927. Mas não devem ser dados mais detalhes: se não entendeu, vá ler o livro e assistir ao filme!

O livro “Vocês ainda não ouviram nada: A barulhenta história do cinema mudo” constitui uma obra importantíssima para qualquer pessoa que se interesse de alguma forma pelo tema do cinema mudo. Única no país, com uma escrita ao mesmo tempo acessível, leve, mas séria nos momentos necessários, é uma obra que deve ser valorizada, tanto por sua qualidade, quanto pela ação de seu autor em dar voz e história a um período muitas vezes tão esquecido pelas pessoas, tanto espectadores casuais quanto especialistas em cinema.

Capa do livro.

Referências Bibliográficas:

SABADIN, Celso. Vocês não ouviram nada: A barulhenta história do cinema mudo. 3. ed. São Paulo: Summus, [1997] 2009.