Blog Chaplin

AACD_TELETON_ROXO_POS_CMYK_jpeg

O Blog Chaplin junta-se ao Teleton, na corrente da solidariedade

shows-do-teleton-2014-4

O Teleton surgiu no Brasil em 1998, através de um pedido da apresentadora e dama da televisão brasileira, Hebe Camargo. Seu pedido de realizar uma campanha de arrecadação, em prol da AACD, veio através de um modelo já existente, nos EUA (criado em 1954). Hoje, um dos Centros de Reabilitação, localizado em Campina Grande, Paraíba, ganhou o nome de “Hebe Camargo”, para homenagear a sua eterna madrinha.

Assim como em todos os anos anteriores, desde a sua criação, o Blog Chaplin junta-se à corrente do bem, para apoiar o belo trabalho da AACD e divulgar a campanha do Teleton. Convocamos cada um de nossos leitores a fazerem parte também, desta corrente da solidariedade. Vamos todos juntos, contribuir para aumentar o número de sorrisos de crianças, por todo o Brasil.

BlogChaplin_Teleton_FINAL

 

Saiba mais sobre o Teleton: http://www.sbt.com.br/teleton/

filme digital

Qual o melhor filme de Charles Chaplin?

Charles Chaplin tem uma enorme gama de filmes, entre curtas e longas metragens, totalizando oitenta produções.

Como podemos ver, ele contou inúmeras histórias, desde 1914, com Making a Living, até sua última obra lançada, Condessa de Hong Kong, de 1967. Definir qual desses filmes é o melhor é muito difícil, pois é preciso considerar o gosto pessoal de cada um. Mas queremos saber qual deles é o mais popular, na opinião dos leitores do blog e admiradores da obra chapliniana.

Então, o Blog Chaplin se arriscou a fazer a pergunta: Qual o melhor filme de Charles Chaplin? Responda a enquete abaixo e descubra se o seu filme favorito está bem colocado no ranking.

Veja a lista completa de filmes de Charles Chaplin AQUI.

charlotemportugal5

Charlot em Portugal: O Ciclo Charles Chaplin

Por Lívia Fernandes

Olá leitores do Blog Chaplin! Hoje estreio a minha participação por aqui. Apresentarei a vocês algumas histórias, notícias e curiosidades acerca do nosso querido Vagabundo no contexto europeu – especialmente em Portugal (pois estou em programa de mobilidade internacional em uma cidade portuguesa). Vou começar falando do Ciclo Charles Chaplin, no Teatro Nacional de São Carlos, em Lisboa.

Bom, como a maioria deve saber, este ano comemoramos o 125º aniversário de Chaplin (abril) e o centenário de seu personagem mais famoso: Charlot – como é conhecido na Europa (fevereiro). Cem anos de bigode, chapéu coco e bengala de bambu. O Teatro Nacional de São Carlos decidiu, então, homenagear nosso gênio com a exibição de alguns dos seus filmes acompanhados pela Orquestra Sinfônica Portuguesa (direção musical de Timothy Brock) nos dias 21, 23, 28 e 30 de março. Estando em uma cidade próxima à Lisboa, claro que não pude perder a oportunidade de viver essa experiência. E, acreditem, foi fantástico!

O Teatro Nacional de São Carlos fica localizado no centro de Lisboa e foi inaugurado em 1793. Fui acompanhada de uma amiga também brasileira. Chegamos em torno das 15h40min para a apresentação das 16h e já víamos bastante movimento. Algumas pessoas estavam fazendo uma recepção na entrada do teatro com figurino característico do Vagabundo. O filme que seria exibido nesse dia (23) era O circo, que eu gosto bastante. Entramos para nos acomodarmos com calma e apreciar o teatro. Confesso que quando vi a fachada do local, imaginei algo simples. Mas para a minha surpresa, fiquei encantada com a beleza e suntuosidade do lugar.

Nos sentamos e rapidamente a casa lotou. Vi crianças entrando, bem animadas. Vi jovens, adolescentes, idosos e adultos, todos esperando ver Carlitos na telona. As luzes se apagam, começa o filme e eu penso: “Vou tentar imaginar que essa é a estreia do filme e o Chaplin está logo ali. Deve estar feliz em ver a casa cheia…”. A Orquestra começa a tocar e em alguns momentos até esquecia que a música era um elemento à parte da exibição. Muito bem sincronizados e maravilhosamente articulados. As primeiras cenas já vem acompanhadas de muitas gargalhadas, o que seria algo presente em todo o filme. As crianças pareciam seguir toda a trama, gargalhando de cada fuga, cada comicidade que se apresentava. Acho que o tempo nunca passou tão rápido: logo me vi observando a última cena.

O círculo se fecha e o filme acaba. Aparece na tela uma foto de Chaplin já pelos seus 50 anos e com um sorriso lindo, com seu nome embaixo. Toda aquela experiência de viver Chaplin no cinema com gargalhadas oriundas de todas as idades, aquela música tão viva, me deixou emocionada. E essa foto no final foi o suficiente pra empurrar as lágrimas dos olhos, que caíram tímidas, mas de forma fácil. Todos batíamos palmas, e não conseguíamos parar. Parecia que ia durar horas e se assim o fosse, ainda seria pouco. Pessoas se levantaram e continuavam a saudar. Foi um momento único! Pude ver o quanto Carlitos está vivo ainda que sejamos sufocados pelas indústrias culturais, pelos filmes comerciais, pela desvalorização da beleza cinematográfica. Quem tiver a oportunidade de ir às próximas sessões, faça-o! Será uma das lembranças mais felizes da minha vida. E viva os 100 anos do Vagabundo! Viva os 125 anos de Chaplin! Para mais informações sobre o Ciclo Chaplin, aqui segue o link do Teatro Nacional de São Carlos: http://tnsc.pt/charles-chaplin-2014/

Poster publicitário, na estação de metrô, em Lisboa

Poster publicitário, na estação de metrô, em Lisboa