Um Rei em New York: a resposta de Chaplin aos EUA

Por Hallyson Alves

Quando se fala sobre os filmes de Charles Chaplin, naturalmente são evidenciados os grandes clássicos como: Luzes da Cidade, Tempos Modernos, O Grande Ditador, entre outros, que foram, sobretudo, sucesso de bilheteria. Entretanto, figura entre essas grandiosas e inesquecíveis produções, apesar de pouco conhecido, um filme que merece ser inserido entre as obras de arte de Chaplin: Um Rei em New York, penúltimo filme do artista e último em que atua (em “A Condessa de Hong Kong” ele faz apenas uma pequena ponta, como camareiro do navio).

A King in New York

Um Rei em New York – Cartaz

O autor deste texto reconhece que demorou um pouco para assistir esse filme, entretanto, vê-lo, ainda que tardiamente, proporcionou uma experiência inesquecível, sobretudo levando em consideração o contexto histórico em que foi realizado e conhecendo os motivos para que Charles Chaplin produzisse um filme com um humor tão peculiar.

Entre os estudiosos da história do cinema e da vida e obra de Chaplin – um dos maiores artistas da sétima arte –  sabem como foi traumática a sua repentina “expulsão” dos EUA, quando teve seu passaporte invalidado, acarretando num exílio que durou até o fim da sua vida, em Vevey, na Suíça. Em sua autobiografia, intitulada de “Minha Vida”, Chaplin comenta sobre o momento em que, estando em viagem de férias, recebeu o comunicado de que não mais poderia retornar à América:

Crisparam-se todos os meus nervos. Já pouco me importava tornar ou não àquele país desventuroso. Gostaria de dizer à sua gente que me livrar o mais cedo possível da sua atmosfera impregnada pelo rancor seria o melhor para mim; que a América já me enfartara com os seus insultos e o seu moralismo pomposo; que tudo isso já me aborrecera além da conta.

O filme Um Rei em New York (1957), foi o primeiro realizado por Chaplin fora dos EUA, sendo considerado pela imprensa como uma resposta dele ao país que, o tendo adotado em 1914, agora o expulsaria como um indivíduo indesejado. Essa resposta viria após uma longa perseguição do FBI, iniciada no governo McCarthy, de total caça às bruxas àqueles que tivessem alguma ligação com o comunismo. Chaplin foi investigado duramente, por seus constantes e polêmicos discursos à imprensa, considerados pelo FBI como antiamericanos. E foi por esse motivo, mesmo nunca tendo assumindo tal posição política, que Chaplin foi impedido de voltar aos EUA.

O Rei chega a New York.

O Rei chega a New York.

Mas se Chaplin não era comunista (como nunca foi provado nem admitido pelo ele), em Um Rei em New York ele também não tem a intenção de desmentir as autoridades estadunidenses. Durante todo o filme, observamos um humor ácido, uma sucessão de críticas indiretas – e diretas – ao modo americano de ser, de pensar e de viver. 

O filme conta a história do Rei Shahdov, que após uma revolução em seu país, é exilado nos Estados Unidos da América. A primeira notícia que obtém é que a sua fortuna não mais está em seu nome e, logo depois, fica sabendo que um dos seus inferiores havia fugido com ela.

Ao desembarcar nos EUA, o rei (Chaplin) é abordado por um repórter, que pede para que ele deixe uma mensagem para o povo americano. Nesse momento, já percebemos como será o teor do filme:

Estou bastante comovido com essa hospitalidade. Essa grande nação já mostrou sua nobre generosidade com os que buscam refúgio contra a tirania.

Mas de qual hospitalidade Chaplin refere-se? Certamente não faz referência à conjuntura da época (anos 50),  em que foi praticamente convidado a se retirar da ex-colônia inglesa. Chaplin está remetendo-se há 40 anos atrás, onde foi recebido de braços abertos pela nação de Lincoln, onde adquiriu fama e fortuna. Mas parece que isso não foi suficiente para que o mesmo permanecesse por lá.

O Rei e a Rainha.

O Rei e a Rainha.

O rei Shahdov é recebido em terras estadunidenses com entusiasmo. O público o idolatra. Ele participa de jantares, como convidado de honra e, sondado pela indústria da publicidade, gera lucro para os empresários. Impossível não refletir, a partir do filme, sobre como Chaplin concebia o comportamento da sociedade americana, uma sociedade do espetáculo, envolvida completamente com o mercado da propaganda e publicidade. O próprio rei, tendo que trabalhar para se sustentar, vê-se obrigado a submeter-se a uma cirurgia plástica, em nome de uma boa aparência diante das câmeras. 

O rei Shahdov, após a plástica.

O rei Shahdov, após a plástica.

E diante de um mundo mergulhado no capitalismo triunfante, surge uma criança com ideias contrárias ao sistema, chamado Rupert Macabee, interpretado pelo filho de Charles, Michael Chaplin. A atuação do garoto não é tão brilhante como a de Jack Coogan, em O Garoto, mas o roteiro elaborado por Chaplin, reproduz em Michael a própria figura do pai, ao falar sobre questões políticas e ideológicas adotadas por ele (leia a autobiografia “Minha Vida). No filme há uma passagem memorável, onde Chaplin e seu filho (no caso, o rei e o pequeno Rupert) discutem sobre política:

Rei: O que você está lendo?
Rupert: Karl Marx.
Rei: Você é comunista?
Rupert: Tem que ser comunista para se ler Karl Marx?
Rei: É uma resposta Sensata. O que você é então?
Rupert: Não sou nada. Detesto todas as formas de governo.
Rei: Alguém tem que comandar.
Rupert: Não gosto dessa palavra.
Rei: Nesse caso, digamos governar.
Rupert: O governo é o poder político que somente é uma forma legal de oprimir o povo!
(…)
Rei: Meu caro amigo, a política é necessária…
Rupert: São regras impostas ao povo!
Rei: Neste país as regras não são impostas, são desejadas pelos cidadãos livres.
Rupert: Viaje um pouco e verá se são livres.
(…) Vivem todos em camisas de força: sem passaporte, nem podem se mexer!
Tornaram-se uma arma política dos opressores! Se não pensarmos como eles, nos tiram o passaporte! Sair de um país é como fugir da prisão!
(…)
Eu posso viajar?
Rei: Claro que pode.
Rupert: Só com passaporte.

A King in NY_Rupert

Michael Chaplin, como Rupert Macabee.

O roteiro de Um Rei em New York demorou 2 anos para ser concluído. Vivendo em outro país, Chaplin teve que repensar a forma como realizaria o filme, incluindo uma nova equipe e um novo estúdio. A história é ambientada nos EUA e, evidentemente sendo impossível que sua filmagem fosse feita por lá, escolheu filmar em Londres, nos estúdios da Attica Film Company. Como era previsível, o filme não pode ser lançado nos EUA, também não tendo sucesso de público. Certamente deve ter incomodado Chaplin, entretanto, não apaga o valor simbólico que o filme tornou-se em sua carreira. Ao final, chaplin diz para Rupert:

Espero que isso acabe logo. Todos esperamos. Não é nada para se preocupar.

E seu objetivo foi cumprido: Eis a resposta de Charles Chaplin aos EUA, através de algo que sempre fez com maestria: Cinema.

Veja a Filha Técnica do filme aqui.

REFERÊNCIAS

CHAPLIN, Charles. Minha Vida. 15ª edição. Ed. José Olympio, Rio de Janeiro, 2011.

CHAPLIN, Charles. Um Rei em Nova York. Attica Film Company, 1957. Preto e Branco.

Anúncios

Sobre Hallyson Alves

Sou historiador e psicólogo. Desde 2007 pesquiso sobre Charles Chaplin, ícone do cinema mundial, sendo este a principal inspiração para a minha dissertação de mestrado. Foi com o intuito de compartilhar um pouco desta pesquisa, que criei o Blog Chaplin, o primeiro blog com conteúdo exclusivo sobre o artista, em língua portuguesa. Além disso, venho construindo o blog Psicologia e Sentido, espaço reservado para conteúdos relacionados à busca humana pelo sentido da vida.

Gostaríamos de saber a sua opinião sobre esse post. Utilize o formulário de comentários abaixo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s